O que é um “Masternode” e porque eles se tornaram tão populares?

informamos que a fonte original do texto é https://guiadobitcoin.com.br/o-que-e-um-masternode-e-porque-eles-se-tornaram-tao-populares/

 

O conceito de um masternode começou a ganhar popularidade graças a criptomoeda Dash. É bastante interessante ver os masternodes formarem uma espinha dorsal integral da rede. Operadores recebem recompensas monetárias para a execução de nós na rede, mas eles também precisam fornecer uma participação financeira própria. Entenda o que é um masternode e saiba porque este conceito se tornou tão popular.

Explicando a ideia de um Masternode

É importante compreender como funciona o ecossistema Dash antes de enxergamos o valor de um masternode. A Dash, um popular altcoin focada em privacidade, usa um sistema de prova de trabalho semelhante ao encontrado no Bitcoin. No entanto, isso é apenas parte do ecossistema que permite aos usuários ganharem dinheiro. Nem todo mundo é capaz de contribuir para a rede como um minerador, utilizando o poder computacional de uma máquina, razão pela qual os masternodes foram criados.

Olhe para um masternode como um servidor especial que está no ar em todos os momentos. Os Masternodes são confiáveis ​​e descentralizados, de forma semelhante à maneira como os nós bitcoin operam. Há uma grande diferença, porém, já que os masternodes do Dash cuidam da parte da anonimização do protocolo Darksend. Os usuários podem optar por enviar transações anonimamente usando esse recurso diretamente de sua carteira Dash.

Leia também  Poloniex pode ter problemas maiores do que os do Bitcoin

Cada masternode na rede fornece este serviço de anonimização, garantindo que não haja nenhuma parte centralizada para atacar ou derrubar. Além disso, os masternodes garantem que todas as transações sejam validadas em tempo quase real, tornando-as bastante eficientes. Ao contrário dos nós bitcoin, no entanto, os proprietários de um masternode da Dash receberão uma compensação financeira por fornecer esses serviços inestimáveis.

Masternodes individuais na rede têm a chance de ser selecionados como um destinatário de parte do valor de cada bloco minerado. À medida que mais tempo progride, masternodes ganham a mesma parcela por recompensa de bloco – 45% – ainda vai demorar mais tempo para os investidores terem um retorno sobre o investimento. Por exemplo, com 1.000 masternodes em janeiro de 2016, o masternode selecionado ganharia 47.3% de ROI por ano. Aumentar o número de nós quatro vezes significa que cada  terá um ROI adicional de 11,8%. Espera-se que este número caia para entre 4,5% e 18,1% anualmente até 2029, dependendo de quantos nós faziam parte do ecossistema naquela época.

Para alcançar esse ROI, os proprietários de masternodes devem transferir 1.000 DASH para a carteira associada a este . Mover os fundos da carteira removerá o masternode da rede. Além disso, o endereço da carteira não será mais elegível para recompensas. É possível que os usuários retirem seus fundos da carteira a qualquer momento, embora não seja do interesse de ninguém fazer isso sem mais nem menos. Com as recompensas fluindo em praticamente todas as semanas, há uma grande quantidade de renda passiva a ser gerada pela execução de um masternode.

Leia também  Ex-funcionários do Google formam a “xGoogler Blockchain Alliance”

Considerando tudo, usar um masternode é um sistema intrigante. Foi uma ótima maneira de atrair investidores no início, já que o preço do Dash era muito menor por moeda há alguns anos. Quem possuia acima de 1.000 DASH como garantia e os colocou para funcionar como masternode, hoje em dia teria ganhado um lucro substancial. Além disso, dada a valorização do valor do Dash, o interesse gerado passivamente quase quintuplicou em valor também. É duvidoso o Bitcoin nunca ter introduzido os masternodes em seu ecossistema, embora seja muito interessante avaliar se valeria a pena.

Quais as Altcoins possuem Masternodes?

Devido a notoriedade da DASH, diversas Altcoins explodiram recentemente, tal como a PIVX, que se diz uma evolução da Dash. As altcoins possuem a tecnologia Masternode:

DASH

Leia também  ICOs: reguladora chinesa emitiu aviso alertando sobre possíveis perigos

PIVX

CrownCoin

  • Número de moedas necessárias para obter um Masternode: 10.000 CRW
  • Mais informações: http://crown.tech/
  • Onde comprar: Bittrex

TransferCoin

ExclusiveCoin

  • Número de moedas necessárias para um Masternode: 5.000 EXCL (menor investimento até então)
  • Mais informações: http://exclusivecoin.pw/
  • Onde comprar: Bittrex

O que é um Fork de criptomoeda?

texto original: https://www.aprendersobrebitcoin.com/single-post/2018/01/29/O-que-%25C3%25A9-um-Fork-de-criptomoeda

 

Com certeza você já ouviu falar sobre os Forks nas criptomoedas, principalmente quando se trata do Bitcoin. O Bitcoin Cash e Bitcoin Gold, são exemplos de moedas que se originaram em um fork da rede. Mas afinal, o que é um fork?

Vou explicar primeiro de forma técnica mas simples, o que é um fork na computação em geral:

  • Quando um projeto existente precisa ser alterado ou atualizado, um desenvolvedor cria um novo projeto, só que completamente baseado no código deste projeto mais antigo. Fique atento a um detalhe: o projeto inicial não é cancelado, finalizado ou pausado, os dois projetos coexistem, mas apenas o projeto inicial mantém o nome e seu capital.

Agora que você tem noção do que é o fork na computação/ programação, vou aplicá-lo no que acontece com as criptomoedas. Usando a definição anterior:

  • O projeto do Bitcoin e sua blockchain é o projeto original. Em 1/8/17, o Bitcoin sofreu seu primeiro fork significativo, que gerou a moeda Bitcoin Cash. Entretanto, como regra, apenas o projeto original mantém seu nome e capital, continuando a ser a moeda mais forte e significativa. Quando este fork ocorreu, todo mundo que tinha BTC em suas carteiras, receberam a mesma quantia em Bitcoin Cash – BCH. Ou seja, quem tinha 500 BTC, recebeu 500 BCH.

O nome fork vem do inglês, que significa “garfo”. Isso porque os garfos tem o cabo único e na ponta tem diversas “garras” que espetam os alimentos. O garfo simboliza uma moeda que vem como única e em dado momento se “bifurca”, virando novas moedas no final.

 

Para que serve um fork e quem desenvolve e executa?

O fork serve para lançar modificações, atualizações ou melhorias na rede da criptomoeda. Ele surge a partir da opinião dos usuários nos fóruns. Ou seja, os usuários querem uma melhoria e iniciam uma votação. Se a maioria vencer, o fork é planejado e implementado com o apoio da comunidade. Se não, o projeto é simplesmente esquecido ou se os desenvolvedores quiserem, eles podem dar continuidade mesmo sem apoio dos outros usuários.

“Ah! Pedro, mas eu tenho Bitcoins e nunca participei de uma votação! ”

Sim, isso é normal. Quem tem uma carteira Bitcoin e o utiliza como investimento ou meios de pagamento, não vota. Quem vota são os mineradores.

“Quem?”

Os mineradores. São eles que validam cada transação na Blockchain da criptomoeda. Para conhecer mais sobre eles e sobre o que fazem, leia nosso post: “O que é mineração”.

Hoje, existem centenas de moedas virtuais e todas elas estão vulneráveis a sofrer um fork. Se você quiser saber das novas possíveis atualizações de rede, bem como notícias, discussões e debates sobre criptomoedas em geral, entre para o nosso grupo no Telegram. Você pode tirar suas dúvidas e compartilhar opiniões em tempo real, além disso, pode chamar amigos para participar também. Quanto mais conhecimento, melhor!

 

Aproveitando este momento, por que você já não segue o meu canal no Youtube também? Sempre posto vídeos dando minha opinião sobre alguns itens, fazendo tutoriais rápidos e esclarecendo dúvidas sobre os mais diversos assuntos dentro do universo criptográfico. Acesse e se inscreva clicando aqui: Aprender sobre Bitcoin no Youtube!

O que é um soft e um hard fork?

Este assunto é um pouco mais complicado, mas nossa missão é descomplicar em português claro e simplificado, certo? Então vamos lá!

A diferença entre um soft fork para um hard fork é a intensidade com que impactam a rede e suas transações. Veja que a tradução dessas palavras é suave e forte, respectivamente. Então, quando a comunidade começa a discutir as novas alterações a serem implementadas, é possível acontecer de todo mundo concordar ou metade dos mineradores discordar e isso também influencia na diferença entre soft e hard fork.

O que é o soft fork?

O melhor exemplo pra explicar o soft fork é: Windows, da Microsoft. Vamos supor que você tem o Windows 7. Sempre que se conecta, há uma atualização ou outra para fazer no software, às vezes, nem precisa reiniciar o computador – você navega enquanto o PC vai sendo atualizado e não sente diferença nenhuma durante ou depois das alterações. Podemos considerar a mesma coisa para a Blockchain do Bitcoin. Além disso, outros pontos são levados em consideração:

  • As melhorias devem ser compatíveis ao projeto original da Blockchain, que nesse caso, é a Bitcoin Core;

  • A comunidade de mineradores deve estar de acordo em receber as moedas com as novas regras e modificações da rede.

​​XL

E o hard fork, o que é?

Ah! O hard fork é outra história. É quando a galera briga pra valer na votação: muita gente é a favor, muita gente é contra, o que gera um grande alvoroço na comunidade.

Usando o exemplo da Microsoft, podemos dizer que o hard fork é como se fosse a atualização do seu Windows 7 para o 8! É uma mudança gigantesca e você não consegue apenas atualizar e continuar usando o computador. Sem contar que muita gente não aceitou as implementações feitas no Windows 8, tanto que a Microsoft também nem comenta mais sobre. Isso pode acontecer com a criptomoeda também. A se observar:

  • O código criado para a atualização não é compatível com o algorítimo da Bitcoin Core;

  • Mineradores não aceitam receber moedas com a nova versão da Blockchain, por isso, uma nova criptomoeda é criada, como a Bitcoin Cash e Bitcoin Gold.

Cuidados a serem tomados no fork

Vou dar uma dica aqui que vale ouro – mas já disse inúmeras vezes – mantenha suas moedas na carteira da qual controle suas chaves privadas!

As novas moedas virtuais que são criadas no fork valem dinheiro também! Se você deixa todos os seus ativos na corretora onde você os compra, pode ser que quando o fork ocorrer, a bolsa não repasse as novas moedas para você. Talvez nem seja por maldade, mas a plataforma não suporta o novo código criado para a moeda e não consiga te dar o que é seu.

E eu dou a dica número dois: não deixe em qualquer carteira. É necessário estar em uma carteira que suporte a nova moeda, se não, você também deixa de ganhar.

Mas fique tranquilo, pois sempre comento sobre forks que estão prestes a acontecer. Para ter conhecimento e estar preparado para mudanças e novidades neste setor, assine minha newsletter, onde você recebe um curso sobre Bitcoin gratuito em apenas três e-mails!